Ferramentas e Maquinários

Lembrem-se que as opiniões expressas, preços de coisas, idéias, métodos de trabalho, etc podem se alterar conforme a experiência do cuteleiro e o tempo que passou desde a informação.

Ikoma em http://www.knifenetwork.com/forum/showthread.php?t=8287&goto=nextnewest
A respeito dos alicates, caso você se refira aos de pressão compre da marca “Vise-Grip” americanos, eles são mais caros porém bem melhores do que os outros que experimentei (já tive experiências desagradáveis usando alicates de pressão chulé), na Florêncio de Abreu tem vária lojas que tem.

Lixadeiras

http://www.knifenetwork.com/forum/showthread.php?t=8795&goto=nextnewest

FCMacambyra
Me lembrei que no antigo forum alguém deixou um link para uma página que ensinava como fazer uma lixadeira, caso alguém ainda tenha este link ou mesmo este material por favor entrem em contato.

R.Vilar
Cara eu sempre uso este link , tem vários modelos, simples e sofisticados. boa sorte , qqr dúvida já sabe!
www.beaumontmetalworks.com

Lepazini
Lixadeira 2 x 72″
Amigo a minha lixadeira é otima, eu comprei ela do Ricardo Romano que é especialista no assunto pois é engenheiro mecanico, a lixadeira tem recurso para corte plano, e adaptação rapida de rodas que podem ser de 1″até 16″ .
Converse com ele pois ele sempre esta disposto a ajudar.

Callega
Aqui, alguns links sobre lixadeira
http://www.kovalknives.com/wilton.htm
http://www.keenjunk.com/sketchbk/ob90319a.htm
http://theknifemaker.com/inf/grinder.html
http://www.warnerknives.com/beltgrinder.htm
http://www.bladesinternational.com/g…cles/frink.php
esta é muito parecida com a minha
http://www.batavia.co.za/belt_grinders.htm
Sempre lembrando que as lixas sid-gel valem cada centavo investido.. Eu compro as minhas em sampa, do Tomas. Gente finésima (ou sera finézima??) 11 6958 5899. Sempre com emenda cristal.
Rodas emborrachadas:
Aqui em Bento, tem a begebor , 54 459 1028, que emborracha muito bem
A minha foi feita com especificacoes de borracha deles. se nao me
engano, a dureza deve ser 90 ou 95 shore A. O emborrachamento custou 50 pila.

Panela/Tanque de Sais

http://www.knifenetwork.com/forum/showthread.php?t=10220&goto=nextnewest

Jeff Velasco
Jean,
Estou estudando a possibilidade de construir uma “panela de sais” segundo estes projetos pois seria uma opção muito mais segura para a confecção de espadas. Acontece que de eletrônica eu não manjo nada… vc poderia dar uma olhada no projeto e adaptar a coisa pras peças que podem ser compradas aqui? Vê se vale a pena e me dá a sua opinião geral, se vai ser caro, barato etc.
http://www.cashenblades.com/saltbaths.htm

Cabete
Ví e adorei o croqui desta panela de sais. isto é muito mais inteligente que fôrno pois a troca de calor de um sal em contato com a lâmina é muito mais eficiênte que a do ar.
A construção da panela é simples apesar de que não sairá muito barata mas também não é nada assustador. Se você puder me auxiliar quanto aos sais eu agradeço e já vou partir para elaborar uma destas. Meu inglês é bem raquítico portanto se você conseguir definir quais são especificamente os sais e onde podemos encontrá-los por aqui o resto fica fácil.
Dá para usarmos um controlador de temperatura com duas saidas sendo uma para controlar a resistência ou o gás e outra para controlar uma ventoinha que acho útil também no projeto elétrico para que haja um controle mais preciso de temperatura.
Um controlador top de linha como o West da VEEDER-ROOT que tem garantia de três anos e PID custa hoje R$ 600,00, se for o modêlo à gas teremos mais a ventoinha, a solenoide e a montagem em sí. O custo ficará entre R$ 1.000,00 e R$ 1.200,00 montando tudo com peças novas de melhor qualidade. Existe é claro a possibilidade de procurarmos um controlador mais barato, sem PID, vou dar uma procurada aqui na fabrica que devo ter alguns usados encostados. O problema é que usando um controlador velho a confiabilidade cai um pouco e devemos pensar em ter uma peça de reserva prá não ficarmos na mão.
Tenho também equipamento para calibrar estes controladores e checar os termopares.
Quando falo em ter a ventoinha na panela elétrica é porque o controlador PID pode mandar desligar a resistência e imediatamente ligar a ventoinha pra refrigerar e não deixar a temperatura passar do ponto. Em estufa à ar para envelhecimento acelerado de fios e cabos consegui manter a oscilação da temperatura na faixa de + ou – 1 grau Celcius. Acredito que nesta panela dá para conseguir uma variação máxima de + ou – 5 graus Celcius.

JosuéH.M.Araujo
Sal fundido, é bom meio para se manter constante a temperatura de revenimemto ou alivio de tensões como diz o livro. Da para fazer um controle muito apurado da temperatua e com a vantagem de terse a mesma temperatura por toda a lamina sem variações notaveis. Alende evitar contato com o oxigenio do ar.

Cabete
Ocorreu-me que no sistema à gás, por segurança, deve-se ter um sistema de reacendimento do gás já que a solenoide fecha e abre o mesmo. Pensei em usar um sistema destes de acendimento de fogão à gás operado pelo próprio controlador de temperatura, sempre que êle mandar abrir a solenóide do gás êle também manda produzir faíscas por alguns segundos passando-se o sinal para isto por um temporizador.

Jeff Velasco
Cabete,
Estou esperando a resposta de alguns americanos sobre as melhores opções de sais. Veja se consegue estes controladores, acho que consigo uns novos (aqui em Floripa tem uma empresa que fabrica eu acho) a bom preço.
Ter um sistema de acendimento do gaz é uma boa mesmo. Eu pensei em uma chama piloto como dos aquecedores de água. Mas você deve saber qual a opção mais segura.

Cabete
Devo ter uns 5 controladores encostados. Só que não possuem manual, vou tentar conseguir os manuais com o fabricante e testá-los. Quanto à chama piloto também pensei nela mas ví um sério problema devido à ventoinha, o vento iria apagá-la com certeza.
Esta panela teria muita utilidade também para a oxidação de peças, bastaria trocar os sais pelos de oxidação à quente.

Callega
Tche Jeff, baho de sais é amplamente utilizado para calibração.. Tambem tem o seguinte, nao vai achar qu e obter uma uniformidade de temperatura em toda altura do banho seja tarefa fácil…
Qto a adaptacao do banho, nao é dificil. Mas estes negócios, normalmente sao mais utilizados para revenimento e pre-aquecimenteo das laminas. Dificilmente t vais chegar na temperatura de tempera com sal. Em poa tu encontras algun dos melhores controladores de temperatura do mundo. O NOVUS.. É na esquina da farrapos com a ramiro, um pouco pra baixo, em direcao ao guaiba. Eles tem vários modelos. Eu usei muito o N1000, na época, pra montar padroes de temperatura. Pra temperaturas de revenmimento, utilizaria um banho de oleo de silicone, ou talvez de tempera, com circulacao. Já obtive estabilidades de .1 °C. Qto a exatidao, nao quero arrumar polemica com ninguem, mas se alguem me falar que obtem uma exatidao melhor que .5°C em todo o banho, nao acredito. Ja tive varios padroes, inclusive da HART CIENTIFICS que fornece os padroes do NIST. Cheguei a ter um termometro com 5 casas depois da virgula, que ia de 500 a -alguma coisa, um padrao pra calibrar padrao da Hart.
Se for a gás, saida PID nao vai funcionar, tem que ter saida analogica e uma valvula proporcional de gas, senao esquece. Com o pid ligando e desligando a valvula a uma taxa de 30 x/min (coisa normal) quero ver vcs manterem a chama acesa. Tem que ser saida linear e valvula proporcional, igual a caldeira de grandes dimensoes.
Eu, utilizaria um sistema eletrico com rele de estado solido (a novus tem). Um controlador PID e dependendo da temperatura de trabalho, um PT100 ao invez de termopar. Mas o pt100 raramente passa dos 300 graus. Deve-se lembrar que a distribuicao da carga termica das resistencias é de fundamental importancia para se obter isotermia no m eio (tomei sopa de letrinhas), ou seja, o calor sobe e deve-se ter carga termica maior na parte inverior e diminuir conforme sobe.
O ventilador, deve ser mantido ligado ou nao utilizado. O controle PID, quando bem ajustado, evita o over-shoot. Nos meus blocos aquecidos para padroes, sempre usei uma cortina de ar pelo lado de fora do bloco, facilita a isotermia..
Qdo tu estiveres no sul, com tempo, me avisa. Podemos nos encontrar e eu te mostro meu forno de calibraçao. Ai tu podes entender um pouco o principio da coisa. Foi meu trablho de conclusao, na universidade.
Alguns sais podem ser obtidos com a Hart Cientifics, nao sei como contata-los. Tinho um cara na comsistec (fabricante de termopares de SP) que era representante deles. faz muito tempo que nao atuo na area, por isso perdi os contatos.

Cabete
Forja + Banho de sais
Vendo o croqui do banho de sal tocado à gás dá para perceber que com pouquíssimas modificações posso fazer uma forja à gás que tapadas as janelas laterais e introduzido o cadinho do banho de sais se transforma neste equipamento e talvez, com um pouco de experiência, humildade e teimosia também dê para substituir-se o cadinho de sal por um outro que venha a funcionar como fôrno.
Como estou precisando de uma forja à gás já vou iniciar o estudo e construção da mesma prevendo todas estas possibilidades. Quanto às questões de PID ou analógico, e outros detalhes técnicos a escolha de um bom controlador de temperatura resolve tudo isto pois nos mais modernos podemos fazer praticamente o que quisermos na configuração de seus parâmetros. Não são mais caixas pretas, são muito dinâmicos.
O importante é conseguir tudo a custo reduzido ou zero pois no final das contas sempre existe o último recurso: monte de sucata!
Estou tentando conseguir junto à Ecil o manual dos 06 controladores que tenho encostados aqui. Estes serão ótimos para nós pois serão de graça. Possuem também os relês de estado sólido se quiser partir para a opção elétrica a qual eu descarto pois minha idéia agora é a de ter em um só equipamento o máximo de recursos possível.
Logo que obtenha o manual vou testar os equipamentos e se tudo der certo te mando duas peças. Uma para montar e a outra para ficar de reserva.

Jeff Velasco
Cabete: Dá pra reservar um destes controladores se eles forem úteis a esta função? que preço serairia (se quiser tratar disso por e-mail é só mandar mensagem privada).
Callega: Acha que o projeto é adaptável? quer dizer, eu conheço pelo menos uns 15 cuteleiros americanos que usam a panela de sais e estão satisfeitos com os resultados. O que você acha?

Cabete
Duas peças já são suas! De grátis!
SE conseguir o manual duas peças serão suas. No raio do controlador da ECIL não tem esquema impresso e portanto sem o manual não há o que se fazer, enviei e-mail à ECIL hoje pedindo cópia do manual.

Jeff Velasco
Me passe as especificações técnicas das peças e vou ver na biblioteca da engenharia mecânica aqui da UFSC. Os caras tem coisas do arco da velha no setor de metalurgia, são a melhor universidade da américa latina em eng. mecânica.

Lepazini
Amigo Vellasco:
Esta idéia é otima o resultado da tempera é muito bom, meu pai utiliza este tipo de trabalho nas facas dele, quem faz é uma empresa de POA acho que o nome é Marimon ou algo parecido, mas a tempera que eles fazem neste tipo de forno é muito superior ao resultado que conseguimos com oleo.
O unico inconveniente é que nas peças do meu pai vem residuos e carepas que eles não conseguem eleminar , assim gastamos uma lixa que é de dar inveja.más em termos de corte e qualidade até agora se apresentou imbativel.

Cabete
Os controladores são da marca ECIL, modêlo Junior Jr/C. Se não conseguirmos o manual vou enviar um para um pessoal que entende bem de eletrônica para abrirem e montarem pelo menos o esquema elétrico de onde ligar o quê.

Callega
Jeff, podes estar certo que é. Tem um monte de cara que faz resistencia, e resto é controlador, termopar, rele de estado solido, etc.. Nao tem galho.. Mas tu quer temperar ou revenir no sal? Acho que é revenimento.. E o sal? Donde??Principalmente pra temperaturas muito altas.. Se é revenimento, eu usaria óleo.. Até 200°C.
O que acredito ser um problema para o gás, é a válvula de controle.
Com certeza tem que ser uma servo-valvula. E pra gás, juro que nunca vi. Até deve existir, mas deve custar uma fortuna..E meia..
Outro problema é a medicao de temepratura real. Como falei, nos banhos a temperatura fica em camadas. Temque ter agitaçao, seja ar, oleo ou o que for, senao adeus isotermia (mesma temperatura,ou aprox, em todos os pontos do banho, ou bloco).

Cabete
A Ecil não respondeu meu e-mail … mas mandou cópia do manual via correio!
Vou tentar estudar o manual e testar os equipamentos neste final de semana. Estando tudo OK te mando os seus com uma cópia do manual e aí você decide o que quer fazer. O projeto elétrico realmente facilita a vida mas precisa ter boas resistências para que sejam duráveis o que não é difícil de conseguir.

Callega
Um detalhe, normalmente mal compreendido, para resistencias é que a conexao das mesmas com os cabos deve ser ventilada.
O normal é que as conexoes fiquem lacradas dentro de uma caixa. Isto costuma formar um outro forno, aquecido pela própriia resistencia e por conducao de dentro do forno. Com o tempó a conexao se deteriora. Mantenham-na arejada.
Outro detalhe, principalmente com atmosferas agressivas é o encapsulamento dotermo-par. Devemos procurar um encapsulamento que nao seja agredido pelo meio. Num forno de fundicao de aluminio de uma fabrica de pneus, tive que encapsular o termopar em uma peca de ferro fundido de 2 polegadas. O termo par ficava do lado de fora do cadinho, uma estupidez, pois nao media a temperatura do metal.
No sal, o termo par deve ficar em contato direto com o dito cujo..
Até uns 1000°C, termo par tipo K, alumel columel. Melhor seria um termo par nobre, tipo platina/platina/rodio, mas é caro, porem mais exato. Outro detalhe, quem garante que o termopar é exato? Ja vi gente ajustando temperaturas de 800,5°. A menos que tu saibas a diferenca de medicao do teu termo par, nao adianta tanta exatidao.. Alguns fornecedores oferecem termo pares com calibracao, que pode ser em um ponto só. No caso da tempera, pode-se solicitar um termo par calibrado em 800°C. Ja garantiria a medicao, ou pelo menos saberia a diferenca de medicao. Calibrar é comparar um dispositivo de medicao a um padrao, sabidamente correto. Tambem tem o problema da calibracao do controlador. Pode-se ter uma leve nocao da exatidao da coisa, fazendo o seguinte:
Colocar gelo picado em um copo, completando com agua suficiente para preencher os espacos entre o gelo. Este copo devera estar dentro de um isopor com mais gelo. A temperatura devera ser ao redor de 0° (esta é uma celula de ponto triplo de agua). depois ferver agua e colocar o termometro dentro. Ao nivel do mar 100°, aqui em Bento 98,5° aproxim. Outro metodo é a utilizacao de um metal sabidamente puro e com ponto de fusao conhecido, por exemplo chumbo. Coloca-se dentro do forno e ajsuta-se uma temperatura ligeiramente inferior ao ponto de fusao, depois de estabilizar o metal nao deve ter fundido, apos aajustar ligeiramente acima da temp de fusao e o metal devera fundir..

Cabete
Precisão de Medições
Realmente não adianta um equipamento descalibrado, é como a velha piadinha: “Relógio que atrasa não adianta.”
Temos um Cappo na fabrica portanto dá para calibrar os controladores facilmente pois este Cappo é rastreável aos padrões primários do INMETRO.
Quanto ao termopar na fabrica só uso tipo J portanto vamos ter que conseguir outros e depois dá para aferir por comparação usando o Cappo. Dá para chegarmos a uma precisão boa para a função pois acredito que para têmpera/revenimento algo como mais ou menos 5 ou mais ou menos 2 graus seja suficiente.

Jeff Velasco
Obrigado Cabete.
Vamos ver se conseguimos fazer funcionar este projeto. Vou escrever pro pessoal que já montou a panela de sais e pedir informações mais detalhadas do projeto. Uma variação entre dois e cinco graus é suficiente, acho eu. Não seria se não fosse tratar com aços carbono, que tem uma tolerância maior a variação.
Fico na espera para a remessa! E obrigado mesmo.

Callega
Concordo com o metodo de calibracao. Costumo ser repetitivo neste assunto de exatidao, qdo comparados ao zero absoluto. Numa temperatura de 800°C, tem que deseja uma exatidao de 2 ou 3°. Impossivel.. Seja por erros relacionados a medicao, seja por problemas de uniformidade de temperatura(isotermia).
Cabette, certa epoca trabalhei nesta área. Implantei o 4.11. numa empresa de alimentos e montei um pusta laboratorio. Gastei 100 mil verdes,na epoca. Os padroes primarios sao celulas de triplo estado. Sao involucros herméticos, contendo um elemento puro, pode ser agua, prata, chumbo, etc. Como o involucro esta em condicoes de CN(T)P, o ponto de fusao é determinado. Qdo funde, existem os tres estados ao mesmo tempo, solido liquido e gasoso. Por isso ponto triplo. O da agua é razoavelmente reproduzivel, com exatidoes que atingem 0,1°C, com relacao a 0°K. Uma latinah de cerveja, cheia de gelo picado. A cerveja coloca no copo e bebe. Adiciona agua até completar os espaços entre as pedras de gelo. Coloca esta lata dentro de um isopor com a mesma mistura. Mede na lata de cerveja.

Cabete
… Minha formação e preferência é pela mecânica mas quem trabalha em fabrica em áreas de produção tem que saber fazer chover. Eu aprendí a ser um feroz leitor de manual de equipamento. Leio quantas vezes forem necessárias até entender o suficiente para fazer estas geringonças funcionarem! …

Jeff Velasco
Esqueci que de responder uma pergunta. A panela de sais serve principalmente para têmpera. Mas como ela aqueca a peça rápido e uniformemente com razoável controle de temperatura, pode ser usada para fazer ciclos de normalização e até mesmo recozimento, usando uma caixa de cal.

Callega
Pois é, o probrema vai ser assumar o sal pra tais temperaturas. Obviamente o aquecimento é muito mais uniforme, homogeneo..

Cabete
Boas Novas Velasco
Os controladores estão bons.
Estou postando-os não por SEDEX mas por correio normal para não encarecer muito pois os relês de estado sólido são bem pesados devido o dissipador.
os controladores podem ser ligados em 110, 127, 220 ou 240 desde que mude jumpers internos. Estão ligados para 220V.
Um dêles estou te enviando com um termopar tipo J novinho. Este termopar é para temperaturas de -199 à + 860 Graus Celcius. Não coloque o termopar direto no sal. Coloque um tubo e o termopar deverá ficar pressionado no fundo do tubo pela mola e baioneta que existem em sua ponta.
Estudem o manual e se preocupem com os parâmetros marcados com asterisco que são os críticos, os demais são perfumaria para sofisticar o que não será necessário. Para temperaturas maiores precisará trocar o sensor e mudar os parâmetros de configuração segundo o manual.
Para abriu o controlador solte a tampa traseira pelos 4 parafusos de fenda e depois de tirá-la solte a dianteira pelo único parafuso existente. Se não for mudar a voltagem acho que não precisará abrí-los.

Jeff Velasco
Muito obrigado pela sua grande generosidade. Vou escrever novamente pros americanos perguntando sobre os sais. Já estive com um pessoal da engenharia aqui e eles me ajudam a montar o forno, adaptar a solenoide e tudo mais. Assim que tiver mais notícias mando aqui na hora!

Tenho algumas dúvidas sobre a solenóide. Hoje eu corri a cidade toda, da manhã até a metade da tarde e fui em todas as lojas que pude encontrar procurando a válvula. Achei basicamente dois tipos. Uma solenóide muito simples usada para água e uma usada para aquecedores de água a gaz com controlador digital. Esta última parece extremamente sofisticada e deve ter sido projetada em função do controlador usado para este aquecedor. A única sucata de aquecedor que achei e que eu poderia retirar e válvula é de um aquecedor japonês que veio parar, não sei como, em uma casa aqui em Floripa e queimou.
Fica a pergunta: será que a solenóide simples, usada para água, serve? Se não, qual o modelo ideal e onde posso compra-la?

Os sais: mistura 50% 50% de cloreto de sódio (sal de cozinha, ou sal para nutrição animal, neste caso use um sem aditivos nutricionais) e cloreto de cálcio (usado nos EUA para derreter gelo).
Alguém tem alguma idéia de onde comprar cloreto de cálcio?

Cabete
Pelo que estou entendendo você está optando pelo projeto à gás?
O projeto elétrico seria bem mais simples pois além do que lhe mandei você teria agora que procurar a parte de resistência elétrica e talvez uma pequena ventoinha para o resfriamento quando necessário.
Mas tudo bem, se quer partir para o projeto à gas vamos pesquisá-lo e viabilizá-lo.
Tendo um tempinho vou pesquisar a questão da solenóide para gás. Acredito que a de água não sirva. Conheço-as bem e duvido que consigam fazer uma boa vedação do gás.
Tente pesquisar junto à Ultragás e outras empresas grandes de gás pois normalmente eles possuem equipes de engenharia para auxiliarem em aplicações. Ví um sistema de espantar pombos em plantações que é um verdadeiro canhão à gás. Com um botijão de 13 Kg dá cerca de 13.000 tiros potentes em barulho e os tiros são dados de cada vez em uma direção para espantar pombos. O sistema foi desenvolvido por eles. Acredito que possam indicar as peças e onde encontrá-las.

Callega
Velasco. tu gosta de dificuldade….
Tu vais ter que encontrar uma valvula proporcional pra gás… Senao, ligamndo e desligando, como tu vais manbter o fogo aceso??
A proporcional aumenta e diminui o gas, conforme a nescessidadde. Ai, o contrrolador tem que ter uma saida analogica..
vai pela resistencia que tu ganha dinheiro..

Jeff Velasco
Bem.. pode ser que tenha que ir pela resistência mesmo
Mas o pessoal que me passou o projeto disse que me manda dos EUA a válvula se for necessário… vou ler o manual com calma e decidir sobre as opções.
O problema (pelo menos pra mim) de montar a panela elétrica é o custo em placas cerâmicas. Como pretendo usar um tubo de mais ou menos 1.25 mts. para espadas, a quantidade de placas cerâmicas seria grande e o custo sobe muito. Se fizer a gáz posso usar a manta refratária sem problemas e o custo cai muito.
Mas na real… só vou saber o que vale mais a pena depois de botar as duas opções na ponta do lápis.
Além disso tem a minha competência… se for pra fazer uma forja a gáz eu sei fazer, já montar um forno eu não sei… mas isso não tem muito problema eu acho… já descobri como fazer coisas mais difíceis sozinho hehehe…
No caso de uma panela elétrica.. a instalação precisa ser trifásica?

Cabete
Não precisa ser trifásica à menos que a ventoinha escolhida seja trifásica. Mas nem pense em usar 110V ou 127V pois as correntes elétricas ficam muito altas e seus problemas com fios e terminais superaquecendo aumentam barbaridade. Se for fazer à gás pense seriamente em segurança. Nunca poderá abrir o gás e depois de um tempo botar fogo, se isto ocorrer a explosão será inevitável. Manter um fogo aceso só diminuindo o gás sem diminuir também o ar soprado pela ventoinha pode ser também um sério problema pois a mistura ficará muito pobre de gás e poderá apagar, os dois teriam que diminuir proporcionalmente ou o gás só diminuir até um percentual em que consiga manter a chama acesa. Acredito que tudo isto seja possível de ser feito mas o custo pode crescer um bocado.

Callega
Eu acho que este controlador nao vai funcionar com valvula a gas.
Tu vais precisar de um controlador com saida linear e nao digital (liga desliga). Tem que ver a valvula tbem. Se a valvula usa uma tensao 0 a 20 volts pra atuar e o controlador tem saida 0 a 20 mA, tu precisa de um conversor. Deixa eu explicar.
Qdo falo linear ou servo-valvula, falo de uma valvula que pode trabalçhar liberando 10%, 20%, 15%, 77%, qqer valor entre 0 e 100%. A digital, trabalha aberta oiu fechadda, que eé o caso da maioria das resistencias. Existe a possibilidade de usar reles dee estado solido e controles PID nas resistencioas, fornecendo pequenos pacotes de energia para a aresistencia. Isso é muito melhor que o liga deesliga padrao, pois evita a inercia termica..
é bastante teoria..
Se tiveres dificuldades com o oforno, fala com nóis.. Te dou uma mao..
Vai na resistencia e rele dwe estado solido.
Se optarres pelo gas, pede as caracteristcas ded controle da valvula e pesquisa o controlador praqule tipo de acionamento..

Jeff Velasco
Acho que vai ser elétrico no final das contas.. depois de levar o controlador e o manual pro pessoal da engenharia eles meio que desvendaram o bicho e me disseram que ele tem PID e pode ser que dê pra fazer controle de rampa (cabete… o que você acha?). Neste caso é melhor o forno elétrico para poder fazer recozimento. É só tirar o cilindro de sais de dentro e passar o termopar pra dentro do forno, ou conectar outro termopar no controlador.
Mas a minha preocupação maior agora tem que ser a defesa da minha monografia e o SPKS. Desisti de recuperar meu carro e vou passar ele nos trocos mesmo.. já estou com saudades do passatão velho…
Depois de acabadas as aulas vou procurar um lugar para a oficina e vou começar a fazer as ferramentas: forno, lixadeira, etc.
Aí tenho um longo período de experimentação fazendo várias peças em caráter de teste. E muitos testes destrutivos também para avaliar a qualidade do tratamento térmico.
Cabete, acho que vou fazer duas panelas: uma para altas
temperaturas e outra para médias, assim posso tentar fazer martêmpera e conseguir ótimos resultados em peças longas como espadas medievais ou qualquer peça que deva ser fina e longa… o ganho em flexibilidade é enorme e a perda em dureza é relativamente pouca.

Cabete

Caro Jefferson,
O projeto é seu, os controladores possuem bastante recursos e tenho certeza que consegue um bom controle de temperatura com êles se se preocupar tanto com o aquecimento como com o resfriamento pois às vezes a temperatura passa do ponto por inércia térmica ( mais difícil com um PID bem programado ) e ha a necessidade de resfriar.
Pense bem nas coisas e lembre-se de que enquanto está no papel pode rabiscar e rasgar à vontade.
Não entendí a razão de ter dois fornos pois no mesmo forno você pode alcançar as temperaturas que quiser se suas resistências forem bem dimensionadas, basta programar a temperatura que deseja no controlador. Acho também que pode fazer um projeto onde possa colocar e retirar a panela de sais. Só para colocar um pouco mais de minhoca em sua cabeça: Se a panela fosse horizontal em vez de vertical você não teria vantagens quanto ao gradiente térmico citado pelo Callega?? Se for horizontal creio que pode usar um diâmetro de tubo maior que sua necessidade assim o sal ficaria em 2/3 do preenchimento do diâmetro e teria um vão para introduzir as lâminas. Agora acho que vai fundir a cacholêta de vez!!

Bigorna

http://www.knifenetwork.com/forum/showthread.php?t=10465&goto=nextnewest

Ferrari
Realmente as bigornas são caras, e principalmente essas novas não tem uma boa qualidade. A minha é uma Villares que comprei usada de um ferreiro, e deve ter uns 30 anos. Aconselho vc a procurar uma usada em algum ferro-velho ou até mesmo em algumas serralherias que as aposentaram a muito tempo.

rsfjr Arakawa
Olá, O pessoal rouba demais, pelo que me lembre não era tão caro, o preço de uma bigorna de 20Kg, eu acho que esse pessoal de loja pensa só porque é pesado é caro, acho que é mais fácil comprar direto de uma siderúrgica ou metalúrgica.
Improvisando, é só pegar uma tampa de ferro fundido grossa quebrada, e colocar numa base de madeira.

Ferrari
Caro Arakawa, se vc deseja improvisar, beleza, louvo sua atitude de começar com coisas simples.
Mas uma bigorna boa faz a diferença.
Se vc pegar qualquer ferro e usar como bigorna, vc poderá ter bons resultados. Quem usa muito o chife cônico ou o quadrado realmente vai achar falta desses acessórios.
Isto sem falar que uma bigorna bem feita não vai amassar com qualquer batidinha do malho, sendo que essas mossas podem ocasionar defeitos indesejáveis na peça que vc está forjando.
Estou louco para comprar uma americana que vi, com só um chifre e com a mesa temperada e soldada. Esta é o bicho!

Jeff Velasco
Existem alguns itens onde se pode economizar, outros não, pois eles vão influenciar diretamente na qualidade do seu trabalho. A mesma regra das pedras de polimento para o acabamento se aplicam à bigorna. Uma boa bigorna, no tamanho adequado para o tipo de peça que você vai fazer, é a diferença entre muitas e algumas horas de forjamento, e por consequência no desbaste depois. Acredito que, bigorna, martelos, e lixas para lixadeira, bem como as matérias primas, são ítens onde não se pode economizar.
A minha pesa 80kg. Tem uma mesa comprida e dois chifres, além dos buracos para fixar as ferramentas. É uma execelente bigorna forjada (não fundida como as novas) e acho que ela vale cada centavo que paguei nela. INVESTIMENTO, é a palavra correta.

R. Vilar
Olá,
Já vi muita coisa boa e muita coisa ruim, mas uma coisa é certa, as bigornas são caras, principalmente se pensamos que é só um pedaço de ferro. A minha tem 90 kgs.
O kg do aço em uma fundição deve estar em torno de R$3.50 , vc teria que fornecer o molde etc etc etc , acho que não vale a pena. P/ o curso do Fisk compramos 5 bigornas novas, mas a qualidade delas é muito ruim, vale a pena procurar em ferro velho , eu pessoalmente sou fã da marca da Villares ( infelizmente nenhum parentesco).

D´Bem
Caros amigos, pelo que li tive um pouquinho de sorte, encontrei uma bigorninha que foi da Rede Sorocabana, tbém em um sucatão quiz me convencer o dono que ela tinha 200kg, não creio que tenha tudo isto, mas na hora de descarregar eu estava sozinho e tive que abraça-la para coloca-la no chão, e foi ai que tive certeza que era realmente pessada, eu não diria duzentos kilos, mas que uns 150 tem isto tem podem acreditar, o meu conselho para que quer é bem o do Cabete e outros amigos vizitar os sucatões, principalmente onde existiram oficinas das redes ferroviarias que foram desativadas. Ah! tenho uma pergunta que talves alguem possa me ajudar, é com relação a marca da bigorna que comprei ela tem um simbolo estampado como se fosse dois compassos um em pé e outro invertido, mais são sobrepostos como os do simbolo massonico, e nào separados como os “as”da Villares.

 

Comments
4 Responses to “Ferramentas e Maquinários”
  1. Ricardo disse:

    Se não for forjar uma katana, um pedaço de trilho de trem ao contrário dá para fazer muita coisa.

    • dzucherato disse:

      Ricardo, com o trilho de trem e paciência dá para se fazer muita coisa, inclusive uma Katana.
      As bigornas dão mais firmeza, maior retorno do martelo etc etc… Mas já vi vídeos de espadeiros japoneses forjando uma Katana com um bloco de aço de aproximadamente uns 10 x 10 cm como bigorna.
      Forte Abraço!

  2. Edilson Costa Auersvald disse:

    Boa tarde.
    Navegando pelo Site, vi matéria acima sobre lixadeira.
    Gostaria de saber o contato com Ricardo Romano
    Att
    Edilson
    edilsonauersvald@gmail.com
    09/02/2014

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: